sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Resultados - 28 de Fevereiro


Escolas:
Alhandra SC-1 / CAC Pontinha-8

Infantis:
Carregado-4 / Alhandra SC-1

Iniciados:
Alhandra SC-10 / Livramento-0

Juniores:
Monte Agraço-2 / Alhandra-0

sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

O Futebol no Alhandra...

Alhandra, Quarta-Feira à noite no Largo da Praça, muitas dezenas de pessoas para ouvir os versos do enterro do Entrudo (do Carnaval D'Álhandra, que felizmente está de volta) e há algo que não consegui deixar de notar. Cheguei já com os versos a serem declamados, e reparei que quando se falou no Alhandra SC, falou-se na Náutica e nas Piscinas, que têm uma actividade que a todos nos orgulha… mas parece que nem existe Futebol.

Vem isto a respeito de já há algum tempo que sinto que esta ideia se generalizou… o futebol do Alhandra perdeu a ligação com a Vila e relevância no Clube, mesmo com 150 atletas em actividade todos os anos, graças ao esforço diário de dezenas de pessoas que lutam para que esta realidade mude, pessoas que muito provavelmente não estarão a trabalhar no Alhandra quando esta realidade mudar, porque hoje no Futebol do Alhandra, o que falta em reconhecimento sobra em trabalho, responsabilidades e preocupações e um dia quando esta realidade mudar, porque acredito que vai mudar, muitos vão aparecer…

Cada dia que passa me sinto mais orgulhoso de pertencer a esta equipa que trabalha na Secção de Futebol do Alhandra Sporting Club.


quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

Jogos - 28 de Fevereiro e 01 de Março

Escolas:
Alhandra SC - Cultural da Pontinha
28/02/2009 - 10H00
Campo da Hortinha

Infantis:
Carregado - Alhandra SC
28/02/2009 - 15H00
Campo do Carregado

Iniciados:
Alhandra SC - Livramento
28/02/2009 - 15H00
Campo da Hortinha

Juvenis:
Santa Iria - Alhandra SC
01/03/2009 - 10H30
Campo do Santa Iria

Juniores:
Monte Agraço - Alhandra SC
28/02/2009 - 15H00
Parque Desportivo de Sapataria

(estão assinaladas a "bold" as alterações ao Cartaz)

quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

A nossa Escolinha de Formação sempre em altas























Não há nada melhor do que poder acompanhar estes mini craques do futuro.
E é um prazer para os pais, treinadores e fundamentalmente jogadores poder usufruir desta regalia que é a diversão de poder jogar e brincar, com pedagogia.
Fica aqui algumas fotos dos encontros desportivos onde participamos até agora.
Para lembrar que este sábado temos encontro desportivo de Carnaval no Estádio de Póvoa de St.Iria pelas 9h da manhã, e será desta que as escolas do Sporting levam a melhor sobre nós?
Vamos ver, um abraço a todos e até uma proxima.

Juvenis-16ª Jornada: Alhandra-Fanhões 4-2

Um jogo de aflitos que se avizinhava com obrigatoriedade de vitória para nós pois ambas equipas tinham igualdade pontual.
Começamos bem melhor que o nosso adversário, inaugurando o marcador logo ao segundo minuto. Continuamos a carregar com um bom futebol e aos 15 minutos após uma boa jogada pela ala direita conseguimos chegar ao segundo golo.
Depois começamos a gerir o resultado, sem jogar bom futebol quando estamos mesmo a chegar ao intervalo a equipa forasteira consegue reduzir para 2-1, o resultado ao intervalo.
Na segunda parte começamos tal e qual como a primeira muito fortes conseguindo fazer o 3-1 muito cedo, mas desta vez não pensamos em gerir mas sim em evoluir ainda mais com excelentes oportunidades onde falhamos imenso, e depois de tanta insistência conseguimos chegar ao 4-1.
Quando entramos em minutos de compensação o Fanhões numa jogada meio estranha consegue reduzir para o 4-2 final.

Juvenis - 15º Jornada: Bucelenses-Alhandra 2-1

Grande jogo se perspectivava pois éra o derby da nossa divisão, entramos muito mal no jogo, desconcentradissimos e acabamos por sofrer golo muito cedo.
Só à passagem dos vinte minutos de jogo levantámos a cabeça e jogámos um bom futebol, tendo sem duvida as melhores oportunidades do encontro mas não conseguimos passar o keeper adversário, chegando ao intervalo a perder por uma bola a zero.
Depois de ter dado uma mini palestra nas cabines notava-se que todos nós queriamos dar a volta ao jogo, começando a segunda parte tudo foi bem diferente com algumas alterações iniciamos com grande força nesta segunda metade com excelente troca de bola até chegar-mos ao empate 1-1.
Depois do empate só houve um sentido Alhandra, Alhandra, Alhandra, mas não tivemos a sorte, em duas vezes que a equipa da casa vai a nossa baliza marca um golo e arruma o jogo.
Resultado Final: 2-1.

2ª Fase - Escolas

Preparem-se... depois do Carnaval a equipa de Escolas vai começar uma nova etapa.
O sorteio ditou que o primeiro jogo será dia 28 no Grande Hortinha contra o Cultural da Pontinha.





domingo, 15 de Fevereiro de 2009

Assim se perdem 2 pontos








Mais um jogo em que se perdeu 2 pontos com uma equipa que não necessitou de jogar pois alguns jogadores do Alhandra faziam o trabalho deles como mostra a imagem central que a bola é tirada por um jogador do Alhandra quando ela se preparava para entrar na baliza de um canto marcado pelo lado direito, as outras duas mostra como não se deve marcar um livre indirecto dentro da área. Assim se perde 5 pontos, para a parte técnica o comentário fica para quem de direito.
Quanto á arbitragem é de lamentar que a Associação para jogos com equipas do topo da classificação mandem árbitros que vão fazer o seu 1º jogo, acho que esta ser muitos para jogos do Alhandra

Resultados - 14 e 15 de Fevereiro

Infantis:
Torreense-1 / Alhandra SC-1

Iniciados:
Santa Iria-1 / Alhandra SC-1

Juvenis:
Alhandra SC-4 / Fanhões-2

Juniores:
Alhandra SC-1 / Fonte Grada-1

quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Jogo - 16 de Fevereiro


Escolas - Jogo Treino

Castanheira - Alhandra SC

Campo do Castanheira - 19H00

terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

Jogos - 14 e 15 de Fevereiro

Alimentação de um Desportista

Sendo certo de que todos nos devemos preocupar em fazer uma alimentação saudável, ao desportista exige-se, particularmente, alguns cuidados. Para se estabelecer uma dieta para o desportista, é preciso ter em linha de conta o tipo de desporto, a idade, a raça, o sexo, o clima, etc. Assim, a alimentação personalizada e planeada é a chave do bem-estar e metade do segredo do sucesso de um desportista.

De uma forma geral, a ração calórica deverá ser constituída por 55% de hidratos de carbono (arroz, massa, pão, batata, açúcar, bolos, etc.), 30% de gorduras (relação gordura vegetal/gordura animal =1) e 15% de proteínas (relação proteínas animais/vegetais =1).

A ingestão de água é particularmente importante para um desportista. Uma boa hidratação é fundamental, não só porque o rendimento de um atleta diminui com o aumento da desidratação, mas também porque certas lesões desportivas (roturas musculares e tendinites) são mais frequentes quando há desidratação. A quantidade deve ser no mínimo de 3l/dia: 1,5l como bebida e 1,5l incorporada nos alimentos). O ideal será que o atleta nunca sinta sede, devendo-se administrar pequenas quantidades de água, quer na fase pré-competitiva quer durante a competição.

Os princípios básicos para uma correcta alimentação do desportista, devem entrar em consideração com as diversas etapas que o atleta atravessa.
Assim, deve-se planear a ração de treino, a ração de competição e a ração de recuperação:

A) RAÇÃO DE TREINO:

corresponde à alimentação de base do atleta, devendo a ração calórica, proteínas, hidratos de carbono e gorduras serem administradas nas proporções recomendadas. Deve-se preferir alimentos cozidos e grelhados, distribuídos por 6 refeições por dia. As bebidas alcoólicas são de evitar.

B) RAÇÃO DE COMPETIÇÃO:

Incluem-se nesta rubrica a última refeição antes da competição, a ração de espera e a ração durante a competição.

b1) Última refeição antes da competição: Deverá ser uma refeição equilibrada nos seus constituintes (proteínas, gorduras e hidratos de carbono) de fácil digestão (confecção à base de cozidos e grelhados, com pouca gordura e sem álcool), e que não provoque flatulência (evitar o feijão seco, o grão de bico, as favas e a batata). Esta refeição, que deverá ser sempre respeitada, devendo ser ingerida no mínimo 3 horas antes da competição.

b2) Ração de espera: Entre o fim da última refeição e o início da competição, deve-se administrar uma bebida açucarada com o objectivo de evitar as hipoglicémias secundárias à ansiedade. Deve ser composta por água, açúcar (frutose) e eventualmente sais minerais, e ser administrada na quantidade de 150ml de ½ em ½ hora. A frutose, não sendo metabolizada pela insulina, permite manter os níveis de glicemia estáveis, sem o risco de hipoglicémia reaccional, por aumento da produção de insulina, como acontece com a glicose.

b3) Ração durante a competição: Desportos de média duração: futebol, basquetebol, andebol, voleibol, etc.: Deve ser administrada no intervalo do jogo tendo por finalidade fornecer energia, água e sais minerais. A ração a administrar deverá conter água, de preferência bicarbonatada com 2 a 6% de frutose, cloreto de sódio (sal) e potássio. Há preparados comerciais já prontos a utilizar, devendo estas bebidas ser ingeridas à temperatura de 10 a 15 graus nos climas quentes e mais aquecida nos climas frios. Desportos de longa duração - ciclismo, alpinismo, caça submarina, sky de fundo, etc. Neste caso, para além da água (de preferência alcalina) e minerais, a ração deverá ainda fornecer proteínas (ou aminoácidos) com o objectivo de promover a reparação celular e manter o tónus neurovegetativo. Assim, em cada ½ hora deverá ser administrada uma ração igual à utilizada para os desportos de média duração e em cada duas horas uma pasta de carne ou de um concentrado de aminoácidos (preparação industrial).

C) RAÇÃO DE RECUPERAÇÃO:(Durante 48 horas a seguir à competição)

Objectivo - desintoxicar o organismo e reparar as perdas: anular a acidémia (oferecendo alimentos alcalinizantes - queijo, leite, iogurte, fruta, saladas, vegetais). Devesse ingerir muitos líquidos (água e leite magro). A primeira refeição pós-competição não deve conter nem peixe nem carne (autorizado no jantar seguinte), mas apenas fruta e legumes. No segundo dia até há que fazer uma refeição hipercalórica (4000 - 5000 Kcal) e rica em proteínas (20%), para reposição.

Se cumprirem estas regras, é possível em segurança colher todos os benefícios do exercício físico e ir até onde a imaginação nos levar...à vitória!

Texto: Dra Manuel Maria Teixeira ("Newsletter AD Taboeira")

retirado do blog: www.academia-de-talentos.com

segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

Escolas - 2ª Fase (correcção)

Pela informação que nos foi possivel recolher, a classificação da série 2 no sintrasport.com pode não estar correcta, por isso o 5º classificado pode ser o Bobadelense ou o Caneças, sendo esta a única dúvida no lote de adversários da equipa de Escolas do A.S.C. para a 2ª fase.


Escolas - 2ª Fase
Sorteio: Dia 17/02/2009 às 17H30

Grupo 2 - Série 7(uma volta):

7º classificado Série 1 - Alhandra SC
5º classificado Série 2 - (?) Caneças ou Bobadelense
7º classificado Série 3 - Cultural da Pontinha
8º classificado Série 4 - União Mercês
6º classificado Série 5 - Agualva
6º classificado Série 6 - Colégio Marista


domingo, 8 de Fevereiro de 2009

Obrigado IVECO

Hoje ao intervalo do jogo, foi altura da equipa de Iniciados entregar, em nome da Secção de Futebol do Alhandra SC, uma camisola à IVECO através do Sr. Nuno Teixeira, em sinal de agradecimento pelo Donativo concedido.

Fica o registo do momento para a posteridade, porque nunca é demais lembrar que é com estas ajudas que a Secção de Futebol tenta melhorar as condições de cerca de 150 atletas jovens que continuam a praticar Futebol nas suas camadas jovens.

Obrigado IVECO

Resultados - 8 de Fevereiro


Iniciados:
Alhandra SC-5 / Povoense B-1

Juvenis:
Bucelenses-2 / Alhandra SC-1

sábado, 7 de Fevereiro de 2009

Resultados - 7 de Fevereiro


Infantis:
Alhandra SC-2 / Monte Agraço-0

Juniores:
Santa Iria-1 / Alhandra SC-3

quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009

Jogos - 7 e 8 de Fevereiro

Infantis - Equipa Técnica

A partir do próximo dia 09-02-2009, o Mister Rui Pedro vai ser o novo responsável pela Equipa de Infantis da Secção de Futebol do Ahandra Sporting Club.
A Equipa Técnica já está completa, o Mister Rui Pedro vai ser co-adjuvado pelo Mister Tiago e pelo Bruno, como Delegado.

A eles e a toda a equipa, Boa Sorte!

quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

Tipos de Pais

Em relação ao que se têm dito nestes últimos comentários aqui no blogue, fiz uma pesquisa na Net e encontrei um texto muito engraçado que define bem quase todos os pais, é um pouco longo mas vale a pena ler e até afixar no nosso bar para que os pais marquem uma cruz o sitio que mais se revêem.

Tirado do blogue “Zé Fernando”

Os tipos de pais que encontramos quando treinamos na Formação

Todos os anos, na maioria dos clubes, surgem os casos típicos de pais problemáticos para os treinadores, coordenadores e demais orgãos de um clube desportivo.
Visto que, para variar, abundam cada vez mais variantes deste tipo de pais (e mães), decidi colocar isto na Web pois quer no meu clube, quer nos clubes que visito para ver jogar, parece-me que este tema é de dificil solução para quem se vê confrontado com ele.

A maioria das definições que vou apresentar não são minhas, pois foram retiradas da Internet e há centos de páginas que qualquer um pode ver e ler. Há tempos atrás quando pesquisava o tema vi uns quantos artigos, agora há milhares deles.
Isto é sintoma de que o problema, em vez de diminuir, aumenta…
As definições e dados que irei apresentar, não são de um qualquer que decidiu colocar na Internet, mas sim de psicólogos do mais alto nível e de autoridades desportivas de renome e ampla experiência em trabalhar com jogadores jovens.

Estimado Pai ou Mãe localize, entre as várias definições a seguir apresentadas, a que reflecte melhor a sua actuação como Pai ou Mãe.

Pais desinteressados.
Pais que não reconhecem o valor do desporto na educação dos mais jovens e não assistem nunca nem aos jogos nem aos treinos e que seguramente não lerão isto...

O pai treinador
Esta atitude, é reservada áqueles pais que praticam ou praticaram o mesmo desporto que os seus filhos. Nestes casos o pai converte-se no treinador pessoal do menino, daí advindo que, mal ou bem, as indicações dadas por este tipo de pai são mais obedecidas pelo jovem do que as dadas pelo treinador, pois geralmente este tipo de pai é ameaçador e demasiado possessivo na sua forma de actuar. Este género de pai só muito raramente está de acordo com a actuação do filho e, lamentávelmente, não lho consegue esconder. De tal forma interfere na personalidade desportiva do filho que este, ao não ver cumpridas as metas impostas pelos pais, opta pelo abandono da prática desportiva.

Pais treinadores sem título
Colocam-se estratégicamente junto à linha lateral, enquanto o filho joga. Dispõem de umas enormes cordas vocais e de um código de sinais para indicar a táctica a seguir em cada momento do jogo. Ficam furiosos quando o seu filho, para poder seguir a táctica do treinador, não liga às suas instruções. Critica abertamente os árbitros, diverge do treinador e discute com os directores que não concordam que o seu filho é o melhor e que, por exemplo, é ele que tem de marcar os livres todos. Quando o filho chega a casa, começa a segunda parte do jogo.
Os pais treinadores sem titulação deveriam tomar consciência de 3 consequências que gera a sua conduta:
1º. Seu filho perde a concentração, ao ter de se preocupar mais com as suas instruções do que própriamente com a marcha do jogo;
2º. O seu filho fica nervoso. Sabe que se não jogar ao gosto do pai tem medo de o perder e, logo que chegue a casa, tem certeza de ouvir bronca da grossa;
3º. O seu filho fica confundido, ao entrar em contradição com as instruções do pai e a táctica do treinador.

Pais que fazem de treinadores na sombra:
Com frequência, este tipo de pais estão incluidos no grupo anterior, já que os seus níveis de exigência os convertem em treinadores pessoais dos seus filhos, de forma que tomam decisões e dão instruções à margem das directrizes dos técnicos. O problema acentua-se quando essas directrizes são claramente divergentes das do treinador, e submetem o jovem a uma dupla mensagem com frequentes desqualificações para a parte oposta, com o consequente desconcerto e problemas na aceitação da autoridade do treinador na sua parcela de trabalho.

O pai fanático
Neste estado de coisas os extremos sempre produzem conflitos, esta atitude dos pais geralmente tendem a diminuir a própria personalidade do filho. Pais que geralmente nunca estão de acordo com as decisões dos árbitros e dos treinadores, e dificilmente apoiam a equipa optando por, unicamente apoiar o seu filho.

Pais vociferantes
Pais que costumam gritar e insultar árbitros, jogadores e treinadores com uns pulmões fora do comum. São pouco pacientes, escutam poucas vezes os outros e nunca estão dispostos a mudar. Os que fazem isto perto do banco de suplentes são os piores, pois o jovem sente-se humilhado ao ouvi-lo vociferar.

O pai desportivamente frustrado
São pais que se quiseram destacar em algum desporto e não o conseguiram. São desportistas frustrados. Costumam escolher para os seus filhos a actividade em que eles fracassaram, sem terem em conta as preferências dos filhos. Os presentes e incentivos giram em torno desse desporto e investem tempo e dinheiro em formar o filho numa actividade que ele nem sempre quer. Esta atitude costuma provocar rejeição e inclusivamente ódio ao desporto preferido do pai, porque nem sempre coincide com os gostos desportivos do filho...

Pais super-protectores
Pais cuja obsessão com os riscos que envolvem o desporto que praticam os seus filhos, fazem comentários angustiados sobre algumas jogadas ou lances de jogo ameaçando, uma vez mais, que vão retirar os seus filhos do clube.

Pais hipercríticos
Pais que têm expectativas e objetivos poucos realistas em relação à progressão desportivo dos seus filhos. São muito exigentes com a actuação dos jovens e quase nunca estão satisfeitos. Animam pouco e criticam muito.

Pais treinadores auxiliares
São os que se colocam junto da linha lateral e dão instruções ao seu filho, zangando-se se ele não as cumpre. Muitas vezes contradizem as ordens do treinador e, como o jovem está pendente das suas indicações e reacções, desorganizam a equipa.

Pais com uma orientação positiva
Pais que confíam na preparação e conhecimentos do treinador e clube onde está o seu filho, que demonstram autocontrolo, reforçam o esforço, a progressão e apoiam nos momentos dificeis.

Pais treinadores nos intervalos
Muito visiveis para todos, aproveitam que o seu filho saia do campo para lhe dar instruções de como jogar ou de como individualizar o jogo para seu próprio fim e não o da equipa. Às vezes é uma variante do pai manager e em alguns casos até trazem fotógrafos ou pessoas de equipas de elite, emboram sejam dos regionais, para que vejam o seu filho.

Pais camareiros
São os que não autorizam que o seu filho vá aos balneários beber água com o resto dos companheiros, e lhe trazem de casa água ou liquidos especiais para recuperar, costumam ser uma variante dos pais ou mães super-protectores e que ridicularizam o seu filho diante dos demais colegas.Inclusivamente conheci um que, logo que terminava o treino ou o jogo, ia ao balneário, meter num saco, as roupas que o filho acabara de sujar.

Pais que pensam ser pais de cracks
É um dos piores casos de pais com que se pode confrontar um treinador, já que quando chegam a este nível já passaram por quase todos os demais e que pensam ser capazes de tudo e mais alguma coisa, inclusivamente autoridades externas e forças de segurança.

Pais de ida e volta
São muito maus para o crescimento desportivo de um jovem, já que se lhes chama ida e volta porque mudam constantemente o seu filho, de clube ou desporto conforme lhes dá na real gana ou porque não gosta do treinador. A maioria volta a levar o seu filho de volta ao primeiro clube quando dá conta, se calhar demasiado tarde, que o seu filho prefere estar com os amigos e jogar sempre, em vez de estar sujeito a uma convocatória por nível técnico.

Pais bem orientados psicológicamente
Cedem o seu filho ao treinador e aceitam que parte da admiração que o seu filho lhes destinava passe para o treinador. Não se mostram competitivos com seus filhos e não comparam as vitórias deles com as pequenas guerras de quando jogava futebol. Dão importância ao esforço, à progressão e ao disfrutar jogando. Quando não vêem o jogo a primeira pergunta que fazem é: Então! Correu tudo bem?

Pais “técnicos”
São aqueles que, sem saber o que dizem, dirigem-se com terminologia muito detalhada e técnica a treinadores titulados pensando que são superiores, costumando chamar avançados aos pivots e defesas aos trincos, assim como não aceitam que cada ano os sistemas de jogo são distintos e lhes agradam os sistemas à zona, coisa que pedem aos seus filhos, sem saberem que isso é para idades superiores. Ultimamente tem-se dado muitos casos, inclusivamente noutros desportos.

Pais e mães anti-guarda redes
São aqueles que se queixam do seu filho ser guarda-redes, ainda que ele goste da função e a equipa não tenha outra opção. Pensam que ser guarda-redes é algo menor e que o seu filho deveria estar ali para marcar golos. Este tipo de pais tem proliferado muito ultimamente. Existe a versão anti-defesa e anti-tudo onde não esteja o seu filho...

Pais.... (que nome terão)..
...que querem que só o seu filho seja o ídolo e que os companheiros do filho são os únicos culpados das derrotas, sobretudo quando o seu filho não jogou por ausência ou castigo. Em alguns casos até dizem: meu Pedro 2, adversário 0. Ou mesmo, meu filho 0, adversário 3. A maioria destes jovens atletas acaba por desaparecer em poucos anos e deixa o desporto por vergonha ante os seus colegas...

Pais portavozes
São aqueles que constantemente se queixam de problemas de organização e são também muito técnicos, dizendo que são os porta vozes dos outros pais, quando na realidade se agarram a qualquer comentário que ouvem para o acrescentar ao rol de queixas, como se fosse vontade do colectivo de pais, e assim dar a impressão de uma queixa colectiva e não apenas deles...

Pais invasores de campo
São aqueles que fazem o que fazem os fans furiosos, ou seja, invadem o terreno de jogo pela mais pequena coisa ou simplesmente para abraçar os jovens quando marcam golo, mesmo que ainda haja pouco tempo de jogo. A pior versão deste tipo de pais são aqueles que entram em campo para agredir alguém.

Pai fotógrafo ou video-aficionado
É aquele que entra onde não deve, por não poder estar um segundo sem disparar o flash do seu último modelo de máquina, contribuindo para o atraso do inicio do jogo.

O pai manager
Nos nossos dias, em que o desporto já movimenta milhões, a aparição do pai manager é mais que normal, só que apenas lhe interessam as recompensas económicas e não o que pode significar, para o seu filho, a prática desportiva. Este pai está disposto a tudo para que o seu filho seja o melhor mas apenas vê nele uma fonte de rendimento. O problema é que o jovem se vê submetido a uma tal pressão psicológica, que ele mesmo se stressa ao ponto de abandonar a prática desportiva por causa das constantes reclamações do pai...

Pais que correm ao longo do campo
São idênticos aos pais treinadores auxiliares, mas que rápidamente damos por eles, já que sobem e descem, ao longo do terreno de jogo, pela linha lateral, dando indicações ao filho e aos colegas, incluindo insultos à familia dos Árbitros.

Pais vociferantes e cobardes
Pertencem ao mesmo grupo de pais que gritam junto do banco de suplentes, mas estes são mais furiosos e os seus insultos e gestos audíveis e visiveis. Quando se vêem acossados por apoiantes adversários correm a pedir ajuda aos outros pais ou mesmo ao banco de suplentes. Estes pais conseguem sanções para a equipa e intervenções das forças policiais.

Pais de vestiário
São aqueles que gostam de entrar no balneário antes, durante e depois do jogo, retirando autoridade ao treinador. A pior versão deste tipo de pais é aquela em que eles entram no balneário do árbitro no final do jogo, fazendo com que a equipa seja penalizada com pesadas sanções...

O PARADOXO
Tiger Woods teve em seu pai vários destes modelos. Presionou-o e carregou-o de responsabilidade desde tenra idade. Há muitos exemplos de grandes campeões que tiveram alguns destes modelos de pais aquí apresentados. Mas o grande paradoxo, é que aquilo que criticamos é o que devemos fazer se queremos fabricar um campeão. Contra o campeão não discutimos. Mas de cada Tiger Woods, que à força de suportar pressões desde pequeno se torna invencível, há um milhão de frustrados que ficaram pelo caminho. Este meu artigo não é para o papá do Tiger Woods, é para os pais do milhão de jovens que ficaram pelo caminho por, entre outras coisas, não suportarem a pressão e as várias atitudes negativas dos pais.

O cemitério do desporto está cheio de talentos
Talentos que não foram, ou melhor dizendo, que ficaram pelo caminho por diferentes motivos: falta de interesse, falta de oportunidades, problemas económicos, etc.. E pressão excessiva por parte dos pais.

Sistema de detecção de pais a desarmar
Poderíamos fazer um teste para detectar estes pais. Ou poder dar as características:
· Fazem-se entendidos e especialistas no desporto do seu filho
· Sabem tudo e de tudo...
· Vão a todos os jogos e a muitos treinos;
· procuram toda a informação que lhes possa ser útil;
· Insultam o árbitro;
· São dotados de esperteza saloia e catalogam de burro o seu filho quando não faz uso dela;
· Só compram roupa desportiva de marca para o filho e levam-no a fazer testes, dietas, etc.;
· Sentem-se parte integrante da comunidade desportiva;
· Ficam de mau humor quando o filho perde ou joga pouco;
· Fica exultante quando ganha e se ganha alguma medalha, logo a coloca no peito;
· Fala com linguagem técnica com os que realmente percebem do assunto e crê que todos sabem e estão interessados nas capacidades do seu filho;
· Dá palmadinhas nas costas do filho quando conta as vitórias deste aos seus amigos;
· Controla os horários do filho;
· Ás vezes pouco se preocupa com outros assuntos relacionados com o seu filho;

Bom, faltaram algumas, mas parece-me que nos aproximamos do perfil de pai que é necessário desarmar.

FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES DOS PAIS
· Facilitar a assistência e as deslocações;
· Evitar paralelismos com o desporto profissional;
· Facilitar o trabalho do treinador: (não interferir nem tentar substitui-lo, não criticar diante dos jovens e dos outros pais; não provocar situações em que obrigue o seu filho a decidir entre os critérios do treinador ou do pai; evitar-lhe situações embaraçosas quando se encontra entre pessoas que aprecia; trocar opiniões-nunca técnicas-com o treinador, mas em momento e lugar adequados);
· Aceitar os êxitos e fracassos desportivos dos seus filhos, nunca considerando uma derrota como sendo um fracasso;
· Aceitar os acertos e os erros como parte do processo formativo;
· Ajudar os jovens a tomar as suas próprias decisões. Facilitar que os filhos tomem decisões em função dos seus objectivos e expectativas desportivas e aconselhados por quem entende de verdade e quem de verdade pode facilitar a sua progressão desportiva e futuro;
· Propiciar o compromisso e a responsabilidade ante as suas decisões;
· Interessar-se pela actividade desportiva do seu filho de uma maneira razoável. Não é aconselhável ignorar a prática desportiva nem pressionar em excesso;
· Ser um modelo de comportamento em treinos e jogos. A imitação é um mecanismo de aprendizagem muito potente. Em muitas ocasiões, a forma como nos comportamos, é mais eficaz que as explicações ou instruções;
· Respeitar os árbitros, os adversários e os colegas dos nossos filhos;
· Exigir e propiciar uma comunicação fluída entre pais, dirigentes e treinadores. Fomentar uma disposição positiva de entendimento.

Obrigado

Como já informei num post anterior, no dia 28 foi dia de entregar os novos equipamentos às equipas de Escolas de Futsal do Alhandra Sporting Club.


A aquisição de novos equipamentos foi custeada por um donativo do Sr. Pedro Pinto no âmbito do programa de apoio a instituições da Cimpor - O “Connosco”. Na passada Quarta-feira foi então dia de entregar os novos equipamentos, mostrar em 1ª mão e em exclusivo à claque (aos Pais), e foi também o momento de, em sinal de agradecimento pelo generoso donativo, a equipa entregar uma camisola ao Sr. Pedro Pinto.





Muito obrigado Pedro!

terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

PAIS, FILHOS E TREINADOR

Hoje vou escrever sobre pais, filhos e treinador em relação aos treinos. Escrevo, baseado na minha pouca experiência como treinador de jovens, tanto Infantis como Iniciados.
Devo dizer que é com muita pena que vejo o Mister Paulo a sair do comando técnico da sua equipa, mas por vezes é com decisões difíceis (e tenho a certeza que foi, para quem as tomou) que se leva o clube para a frente. Apesar de treinar a equipa de Iniciados, tento estar a par das outras equipas, ainda mais os Infantis, que para o ano muitos são Iniciados, por isso já vi alguns jogos e também treinos ao longo da 1ª Fase, quero com isto dizer, que não escrevo sem conhecimento de causa.

Muitos dos pais tinham como sua bandeira contra o treinador, a falta de disciplina nos treinos, cabines, falta de companheirismo, faltas de respeito tanto com o Treinador como com o Clube, e mais algumas coisas que os próprios pais iam-me relatando ao longo da época, não quero, nem ele precisa que eu seja advogado de defesa do Mister Paulo, pois cada um tem o seu feitio e forma de trabalhar, mas o que quero dizer, é que muitos pais assistem aos treinos e por sua vez às faltas de respeito, faltas de empenho e muita indisciplina, também não quero tirar responsabilidades ao Mister que as têm e muitas, mas será que os pais não têm a obrigação de corrigir os filhos de repreendê-los e até em casos extremos castiga-los, ao assistirem nas bancadas a tanta indisciplina como eles próprios relatavam, será que alguma vez os questionaram sobre estes ditos comportamentos em campo, será que alguma vez falaram com o Mister em frente ao miúdo e deram razão ao Mister, será que a disciplina em 1º lugar não deve vir dos pais, será que os Misters têm obrigação de educar alguém, neste caso em particular em 4 meses?

Se o Mister deixar de treinar ou de se empenhar em certos jogadores os Pais aprovariam, jogar a bola não é obrigação ou seja não saiu no edital da Junta de Freguesia a obrigação de se apresentarem no campo, vão porque gostam de Futebol e de fazer Desporto, a única obrigação de toda a gente que trabalha no Alhandra é de ensina-los se estiverem dispostos a isso, mas há muitos que não estão, mas até esses os Misters ficam com eles na equipa, mas se os mandarem embora choram eles e os pais ficam chateados, porque o mister é mau, depois se ficam, acabam as preocupações, hora do treino é hora de brincadeira e muitas vezes hora das faltas de respeito.

Alguns pais deixam-nos entregues aos Misters e limitam-se a comentar no bar as tácticas e as opções da equipa técnica, devendo eles ser parte activa na formação do filho enquanto jovem atleta, dialogar com o filho se possível assistir aos treinos, falar de forma crítica, não só para os Misters, também para os filhos, para que de facto tudo corra bem tanto em termos desportivos como disciplinares, pois se os Misters estão a lidar com atletas, os pais estão a lidar com filhos, mas no futebol as responsabilidades são sempre dos Misters, será que não deviam ser repartidas entre pais, treinador e atletas?

Não estou só a falar da equipa de Infantis mas de todas, por vezes não é fácil lidar com miúdos, principalmente quando são muitos, e às vezes é no futebol que encontram regras e como é óbvio tentam quebra-las.

Vamos agora dar todo o apoio a nova Equipa Técnica, Pais, Atletas, Dirigentes, pois sei que aqueles miúdos têm muito valor, para eles e equipa técnica boa sorte, e muito empenho durante a semana.

Mister: Carlos Justino

Infantis - Equipa Técnica


O Mister Paulo Gonçalves deixou ontem de ser o responsável pela equipa técnica do escalão de Infantis da Secção de Futebol do Alhandra Sporting Club.

Não posso deixar de agradecer, em nome de todos que trabalham na Secção de Futebol, a quem durante os 5 meses em que exerceu as suas funções, sempre demonstrou empenho e dedicação à Equipa e ao Clube.

Boa Sorte Mister Paulo.

segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009

Euronews - No Coments

Iniciados: Bucelas-2 / Alhandra-3

Este fim-de-semana previa-se uma deslocação bastante difícil, nós em 3º e eles em 5º era assim a classificação, vínhamos de uma derrota bastante difícil de digerir, pois tínhamos feito o pior jogo da época, também tínhamos alguns jogadores doentes e por isso só tínhamos 3 jogadores no banco aptos para entrar no jogo, mas como tínhamos conversado muito durante a semana e em termos de treino foi uma semana muito boa, foi com grande confiança que fomos para dentro do campo.
O ambiente nas bancadas era bom, para as gentes de Bucelas pois estavam debaixo de uma pala e a chuva não os incomodava, mas os nossos estavam á chuva e que durante algum tempo, foi muita e fria, espero que tenham feito bom proveito da tal pala, pois a nossa gente mesmo á chuva, nunca deixou de puxar pela equipa e no fim fomos nós que fizemos a festa, como São Pedro é de Alhandra pudemos fechar os chapéus-de-chuva para que no fim do jogo pudessem bater palmas á vontade com as duas mãos, por isso esta vitória e dedicada a todos que tiveram a coragem de aguentar a chuva e o frio.
Falando agora no jogo, entramos bem sem grande nervosismo mas com grande carácter, logo de inicio vimos que a equipa do Bucelas estava mais preocupada com picardias e entradas violentas do que em jogar a bola, mas não fomos nas cantigas deles e preocupamo-nos só em jogar á bola, e em rápidos lançamentos começamos a criar perigo, tivemos varias vezes na cara do guarda-redes mas por nossa falha não marcamos, depois num livre descaído para a direita bola na área e para grande espanto de todos Flávio de cabeça, grande espanto só porque o Flávio saltou mais que todos e era o mais pequeno em campo grande golo, grande execução técnica estava feito o 1º.
Depois, um erro de marcação o empate numa jogada rápida pela direita, mas não nos fomos a baixo, continuamos o nosso jogo e com uma boa combinação entre o Bruno e o Flávio, o delírio, mais um belo golo do Flávio um bom remate na zona de penalti, que a mim pareceu-me em câmara lenta, pois com um pequeno toque ficaram todos pregados ao chão e o Flávio com mais um grande gesto técnico mais um grande golo, era o 1-2.
Depois num canto mais um golo cheio de oportunidade marcado pelo Ruben, e assim fomos para o intervalo.
Na 2ª parte reduziram logo aos 8 minutos para 2-3, vimos logo que ia ser complicado mas como o Bucelas continuava mais interessado em picardias fomos controlando o jogo, mas sempre sem nos descontrolarmos a nós, o que nem sempre é fácil nestas idades, por isso é de louvar o carácter destes miúdos, ainda tivemos tempo de falhar mais uns golos mas assim foi mais saboroso e deu para aquecer aqueles corajosos que estavam á chuva a eles muito obrigado.

Mister: Carlos Justino







fotos: Sérgio Faria

Escolas - 2ª Fase


Escolas - 2ª Fase - Grupo 2 - Série 7(uma volta)

Sorteio: Dia 17/02/2009

Segundo as Classificações do Sintrasport estes serão os adversários:

7º classificado Série 1 - Alhandra SC
5º classificado Série 2 - Bobadelense
7º classificado Série 3 - Cultural da Pontinha
8º classificado Série 4 - União Mercês
6º classificado Série 5 - Agualva
6º classificado Série 6 - Colégio Marista

Coutada-Alhandra SC Juniores 31.01.2009





Fotos: Tiago Reis

domingo, 1 de Fevereiro de 2009

Resultados - 1 de Fevereiro

Iniciados:
Bucelenses-2 / Alhandra SC-3

Juvenis:
Alhandra SC-2 / Livramento-1

14ª Jornada-Juvenis: Alhandra-Sp.Livramento 2-1












Apesar do mau tempo e da chuva forte que fez sentir na Hortinha assistiu-se hoje um excelente jogo de futebol, quem foi hoje à Hortinha não saiu desanimado, é que além de se assistir a bom jogo tambem se assistiu uma grande homenagem de eterna saudade a um irmão de um jogador nosso e a demostrar a coragem e apoio que o nosso jogador precisa no futuro, FORÇA CAPELA.
Relativamente ao jogo a nossa equipa entrou bastante forte não deixando respirar a equipa visitante que durante a primeira parte só chegou a nossa baliza duas vezes e sempre de bola parada, a meio da primeira parte uma das melhores jogadas do encontro que foi conduzida pelo Esteves a fazer uma excelente abertura para Sampaio que cruza para o centro da área e de pronto o proprio Esteves finaliza, excelente golo.
A nossa equipa batia-se muito bem tanto no lado direito com o Ricardo e Tiago e como do lado esquerdo com o Ricardinho e Estevez, no meio campo as coisa não ficaram alheias Antonio, Neves e Ruben mostraram bem o valor da nossa equipa, no centro da defesa comandada pelo nosso capitão Casquinha e Zé Machado, mas o jogo não parava por ai Sampaio à frente estava endiabrado, com isto tudo chegamos ao intervalo a vencer 1-0.
No intervalo decorreu então a homengem muito sentida ao irmão do nosso amigo jogador e companheiro David Capela, onde todos os Jogadores, Treinadores, Massagistas e a Direcção da Secção, transmitiram muita coragem e força tanto ao jogador como à familia deste.
Na segunda parte as coisas foram diferentes entramos mais apácticos no jogo, não conseguimos dominar como queriamos e foi assim que a equipa forasteira consegue chegar ao golo do empate.
Depois com algumas alterações tácticas e com a entrada de Guilherme, Rafael, Rui Matos, Casaca e Nélio as coisa voltaram ao seu devido lugar, mais pressionantes e muita força de vontade até que uma bela jogada pelo meio a bola pára nos pés de casas e este fez com que a bola fosse até ao fundo des redes estabelecendo o resultado final de 2-1 para o Alhandra.

13ª Jornada-Juvenis: Alhandra-Mafra 1-3
















Esperava-se um bom jogo de futebol pois recebiamos o segundo classificado da nossa divisão e como qualquer jogo queremos sempre ganhar mas não nos foi possivel.
Entramos muito fortes nos primeiros 15 minutos construindo boas ocasiões de golo e até fizemos golo, que nos colocou a frente no marcador, mas foi sol de pouca dura, o jogo em si começou a ficar muito dividido o Mafra começou a subir no terreno até que chega a igualdade, depois a equipa visitante teve um bom final de primeira parte dando a volta no marcador 1-2 ao intervalo.
Na segunda parte foi novamente diferente jogamos muitissimo bem mas não conseguimos chegar ao golo do empate, por sua vez sem mercer e já perto do final o Mafra mata o jogo num lance de contra ataque, estabelecendo o resultado final de 1-3.
Saimos do nosso campo de cabeça levantada pois fizemos um excelente jogo sempre muito bem disputado.